Personagens | Brian Irons

Ano de nascimento: Desconhecido.
Tipo sanguíneo: Desconhecido.
Altura: Desconhecida.
Peso: Desconhecido.

Aparições em títulos da série:

Biohazard / Resident Evil 2 (1998)
Biohazard / Resident Evil: The Darkside Chronicles (2009)


Biografia e Participação na Série:

Brian Irons é o chefe de polícia de Raccoon, tendo total controle da força policial da delegacia e do esquadrão especial S.T.A.R.S., o Serviço de Táticas e Resgates Especiais sob a jurisdição do Departamento de Polícia da cidade. Apesar de seu alto cargo e de sua reputação como homem da lei, Irons esconde um passado e uma personalidade obscura, bem diferente da imagem que mostra ao público.

Ele é um homem extremamente inteligente, o que fez com que sua graduação na universidade fosse concluída com altas honras. Contudo, em uma investigação realizada pelo FBI, solicitada por Chris Redfield, membro da Equipe Alpha dos S.T.A.R.S., após o Incidente da Mansão, em Maio de 1998, descobriu-se que Irons era, na verdade, um homem bastante perturbado, com uma ficha criminal mantida em segredo devido a sua posição de prestígio na polícia de Raccoon.

Em sua época universitária, Brian foi acusado por suspeita de estupro e violência doméstica, e só não foi preso por alegar insanidade e aceitar passar por avaliação psiquiátrica, além de ter um brilhante currículo acadêmico contando ao seu favor. Embora sua postura como chefe de polícia seja a de um homem correto e bondoso, as pessoas mais próximas a ele percebem certa psicopatia em suas atitudes estranhas e gostos excêntricos, sendo um deles a paixão insaciável pela taxidermia. Sua secretária, por exemplo, pouco antes de a epidemia assolar a cidade de Raccoon, descreve em seu diário os horrendos e doentios quadros que Irons começa a levar para a delegacia, espalhando-os por todo o local. Ela também questiona de onde ele tira tanto dinheiro para comprar tais “obras de arte”, insciente da vida corrupta que seu patrão leva.

Há pelo menos cinco anos, Irons e o prefeito da cidade, Michael Warren, vêm recebendo valores altíssimos da Umbrella para encobrimento de suas atividades ilegais. Além das propinas recebidas em caráter particular, a Umbrella ainda doa altas quantias para a modernização da cidade e, ironicamente, para manter o esquadrão S.T.A.R.S. ativo. Raccoon, portanto, é o “lar da Umbrella”, e a maioria de seus habitantes trabalha em suas fábricas e consome seus produtos.

Após o Incidente da Mansão, ocorrido em 24 de Julho de 1998, os S.T.A.R.S. sobreviventes retornam a Raccoon e relatam o que vivenciaram durante o caso, enfatizando a verdadeira natureza da Corporação Umbrella e suas pesquisas com armas biológicas. A resposta de Irons, entretanto, é a pior possível: além de encerrar o caso, ainda ridiculariza os S.T.A.R.S., alegando estarem imaginando coisas por estarem sob stress pós-traumático, o que posteriormente acaba sendo um motivo para a dissolução dos S.T.A.R.S.. É a reação de Irons que faz com que Chris Redfield inicie uma investigação particular e secreta, não somente da Umbrella, mas também do chefe da polícia, de quem passa a desconfiar fortemente. Irons vinha há tempos recebendo propinas de William e mantendo contato com Annette Birkin, a intermediária entre os dois, para que o acesso ao laboratório através dos esgotos da cidade ficasse sempre em constante monitoramento, livre de quaisquer possíveis invasores. Em meados de 20 de Setembro, porém, as forças especiais da Umbrella, conhecidas pela sigla U.S.S., se infiltram no laboratório e roubam o G-Virus de Birkin, que vinha negociando secretamente a venda do projeto ao governo americano em troca de proteção.

Após a morte de William Birkin e o início da epidemia viral na cidade, a insanidade de Irons vem à tona mais uma vez. Assustado e furioso, ele teme a própria morte e promete que não morrerá sozinho, mas levará todos com ele. O prefeito Warren, seu amigo de longa data, foge da cidade e deixa sua própria filha para trás, pedindo a Irons para que a proteja. Porém, a doença mental de Irons fala mais alto e ele decide caçá-la como um troféu, para depois empalhá-la e colocá-la junto a outros de seus trabalhos com taxidermia. Além de matar a filha do prefeito, ele também mata sua secretária e dá ordens confusas aos policiais da delegacia no momento em que começam a se mobilizar para proteger o local, fazendo com que a maioria dos oficiais morresse para os zumbis ou assassinados por ele mesmo, com requintes de crueldade.

Irons também vinha sendo objeto de investigação do repórter Ben Bertolucci, que ouviu a respeito dos misteriosos assassinatos que vinham acontecendo em Raccoon e seguiu para lá, onde acabou descobrindo que o chefe da polícia também tinha sua parcela de culpa pela tragédia ocorrida na cidade. Ben considerava Irons como o principal responsável por toda a desgraça que assolava Raccoon, e antes de morrer, vítima do Birkin G, pediu ao policial Leon S. Kennedy para fazer com que Brian pagasse pelo que fez.

Na madrugada de 30 de Setembro, ele conhece Claire Redfield e pretende fazer dela sua mais nova vítima, mas, pouco antes, a criatura em que William Birkin se transforma injeta nele um embrião do G-Virus, que recusa o corpo de Brian por não ser um organismo geneticamente compatível com o de seu hospedeiro original. Assim, no momento em que vai atirar em Claire, seu peito começa a arder, e se rompe repentinamente pelo G-Imago que havia crescido dentro dele, dando um fim cruel à existência sórdida do chefe de polícia.