Criaturas & B.O.W.s | Lepotitsa

A Lepotitsa é uma arma biológica (B.O.W.) resultante de experimentos com o C-Virus, criado por Carla Radames. O seu objetivo é um só: liberar o vírus em forma gasosa nos ambientes através de seus poros, infectando quem tiver o contato com ele.

O primeiro experimento bem-sucedido da Lepotitsa aconteceu no início do ano de 2012, quando Carla provoca um atentado bioterrorista em uma tradicional escola chamada Marhawa, em Singapura. Uma das alunas, Nanan Yoshihara (nomeada como cobaia C-16), é infectada com o C-Virus e se transforma na primeira Lepotitsa (mesmo que ainda mantendo seus traços faciais), espalhando o vírus pelo local. A partir deste experimento, a produção da arma biológica teve início, como aquela que seria o vetor para contaminações em média escala.

O C-Virus deve ser injetado diretamente na cobaia para ela sofrer a mutação. Como as mutações do C são as mais diversas, é preciso confirmar que aquela cobaia, transformada em crisálida, dará origem especificamente a uma Lepotitsa.

Em 2013, no atentado planejado para matar o presidente Adam Benford, em Tall Oaks, foram colocadas crisálidas por toda a cidade e ao redor do campus da Ivy University, onde o presidente daria uma importante palestra e faria revelações acerca da tragédia de Raccoon City, em 1998. O plano do auxiliar presidencial Derek C. Simmons, quem arquitetou o ataque, era silenciá-lo, antes que ele dissesse qualquer coisa.

A efetividade da Lepotitsa é tão alta que o gás contagioso que ela lança pode se propagar por até 4.8 quilômetros, e as pessoas que têm contato com ele morrem e logo se transformam em zumbis.

A palavra “Lepòtica”, que derivou para Lepotitsa, significa “mulher de beleza” em sérvio. A dubladora da criatura foi Mary Elizabeth McGlynn. Esta informação nos foi passada pelo diretor de dublagem, Liam O’Brien, em entrevista exclusiva. Elizabeth já havia dublado a “tia de Rani” em no primeiro filme de animação, Resident Evil: Degeneração, e mais tarde retornaria à dublagem da série como Alex Wesker (sob o pseudônimo de Tony Todd), em Resident Evil Revelations 2.


Estratégias:

Como o gás expelido pela Lepotitsa é altamente contagioso e de longo alcance, manter distância é fundamental, além de evitar os próprios ataques da criatura. Armas de médio e longo alcance serão as suas melhores escolhas, como metralhadora e, principalmente, rifle. Espingarda não é recomendado, pois necessita de proximidade com o inimigo, o que pode comprometer a sua segurança.

Existem duas batalhas contra a Lepotitsa. A primeira é na catedral, depois de resolver o enigma das estátuas de santas e a passagem se abrir. Dela, sairá uma Lepotitsa e começará a infectar todos os NPCs do cenário, que virarão zumbis e te atacarão. Além de ficar de olho nela, mantenha uma atenção também nos seus arredores, por causa dos zumbis. (Se você matar a Lepotitsa bem rápido nesta parte, impedindo que ela infecte duas mulheres NPCs do cenário, conseguirá um troféu/conquista.)

A outra Lepotitsa aparece no avião, onde Leon S. Kennedy e Helena Harper estão a bordo, em direção à China. Primeiro, você deve enfrentá-la na cabine do piloto, até que ela fuja. Em seguida, será preciso enfrentá-la no cargueiro antes de retomar o controle da aeronave, então, além de se utilizar das armas citadas acima, aproveite-se dos cilindros explosivos. Durante a batalha, é preciso abrir um lacre de uma alavanca, que abrirá a escotilha do cargueiro. Isto fará a Lepotitsa ir pelos ares. Mas, se tentar fazer isto com ela por perto, você tomará dano. Jogando em co-op, fica fácil um dos jogadores atraí-la para o outro lado, o mais chato é administrar tudo no jogo solo, com a inteligência artificial do parceiro.

Algumas pessoas relataram problemas com a imagem grotesca da Lepotitsa, que pode ser um gatilho para a tripofobia (fobia de imagens ou objetos que possuam buracos) em alguns jogadores.