Entrevista | Alex Aniel (cvxfreak), autor de livro sobre Resident Evil

0

Alex Aniel é conhecido na comunidade internacional de Resident Evil como cvxfreak. Com seu grande conhecimento sobre a série, seu atual projeto é um livro sobre a produção dos primeiros jogos, a origem da franquia da Capcom. Atualmente, seu livro, com o título de “An Itchy Tasty History of Resident Evil” está em financiamento coletivo através do site Unbound.

O Resident Evil Database bateu um papo com o Alex sobre sua história com Resident Evil e mais informações sobre o livro. Confira abaixo!

→ Click here to check out the original text in English!


Entrevista Traduzida:

Olá, Alex! Primeiramente, obrigada por falar conosco! Você é uma pessoa bem ativa na comunidade de Resident Evil há muitos anos. Como foi que você conheceu a franquia? Pode nos contar um pouco sobre sua primeira experiência com RE?
É engraçado, mas minha primeira experiência com um jogo de Survival Horror foi Silent Hill do Playstation. Eu me apaixonei à primeira vista pelo jogo e precisava de mais. Silent Hill 2 não havia saído ainda, então fui atrás de Resident Evil. Eu tinha um Dreamcast nessa época, então decidi começar pelo Resident Evil CODE: Veronica, que eu definitivamente amei do início ao fim. Depois disto, eu precisava jogar todos os outros RE, que eram os quatro títulos de Playstation anteriores ao CODE: Veronica.

E como surgiu a ideia de escrever um livro sobre Resident Evil?
Eu trabalho na indústria de games e, por causa disso, comecei a me interessar em como os jogos são criados. É um processo longo e árduo envolvendo muitas engrenagens no maquinário. Acho que os fãs de RE merecem entender como o seu RE favorito acabou saindo do jeito que saiu.

Sobre o que é o seu livro? Ele não é uma enciclopédia, mas algo mais focado na história da franquia, certo? Pode nos contar mais sobre este conceito?
O livro foca no desenvolvimento e na produção de cada RE entre o primeiro e o Resident Evil 4. Ele usa entrevistas com os desenvolvedores para oferecer contexto e contar uma história de forma progressiva.

Quais foram os seus maiores desafios até agora na criação de um livro sobre uma franquia de jogos tão grandiosa e antiga (23 anos já!)?
Eu nunca havia escrito um livro antes, então esta foi a parte mais complicada – em termos de gerenciamento de tempo. Cada RE tem sua própria história em particular, então contar todas elas no mesmo livro e manter a continuidade entre os títulos foi bem desafiador em alguns momentos.

Sabemos que você tem uma boa relação com os desenvolvedores, produtores e diretores da Capcom. Como isto começou? Quem foi o primeiro desenvolvedor que você pôde entrevistar?
Minha primeira oportunidade foi quando eu jantei com o diretor de Resident Evil/Resident Evil 4, Shinji Mikami, e com o diretor de Resident Evil CODE: Veronica, Hiroki Kato, em Janeiro de 2007. Eu não falava japonês na época, mas agora eu falo, então consigo me comunicar com a equipe da Capcom diretamente. Acho que poder falar diretamente com eles em vez de usar um intérprete ajuda a manter um bom relacionamento. Como eu trabalho na indústria de games, participo de eventos das quais a equipe de RE participa. Também tenho amigos dentro da Capcom que me ajudam com frequência. Para o livro, minha primeira entrevista foi com Kazuhiro Aoyama, o diretor de Resident Evil 3: Nemesis.

Ainda sobre a Capcom, que tipo de apoio eles dão para o projeto do seu livro? Eles fazendo parte, de alguma forma? Este é um conteúdo licenciado?
Meu livro é independente e não é patrocinado ou licenciado pela Capcom. Porém, eles não fizeram nada para impedir a publicação e nós (a Capcom e eu) temos uma boa relação! Eu apoio a empresa como fã e como membro e parceiro da indústria de games.

Existe alguma chance de seu livro ser lançado em português algum dia? Você já está negociando a tradução dele para outros idiomas?
Eu adoraria – já recebi pedidos de transcrições para pelo menos 5 idiomas. Se a versão em inglês bater sua meta, podemos explorar mais possibilidades.

Você gostaria de mandar uma mensagem para a comunidade brasileira de Resident Evil?
Muito obrigada pelo apoio de vocês! Eu adoraria participar da Brasil Game Show um dia e poder falar de RE com todos vocês. Obrigado!


Original Interview in English:

Hi Alex! First of all, thank you for talking to us! So you have been very active in the Resident Evil fanbase for so many years. How did you get to know the franchise? Can you tell us about your first experience with RE?
Funny enough, my first survival horror game was SILENT HILL on the original PlayStation in 2000. I fell in love with that game instantly and needed more. SILENT HILL 2 wasn’t out yet, so I turned to RESIDENT EVIL. I had a Dreamcast at this point, so I decided to start with RESIDENT EVIL CODE: VERONICA, which I absolutely loved from beginning to end. After that, I needed to play every other RE, which was basically the four PlayStation titles that preceded CODE: VERONICA.

And how did you come up with the idea of writing a book about Resident Evil?
I work in the game industry and as a result, I’ve grown to be interested in how games are made. It’s a long, arduous process involving many different cogs in the machine. I think RE fans deserve to have context as to why their favorite RE game turned out the way it did.

Click here to help fund “An Itchy Tasty History of Resident Evil” book!

What is your book about? I mean, it is not an RE encyclopedia, but something more focused on the history of the franchise, right? Can you tell us more about this concept?
It focuses on the development and production of every RE between the original and RESIDENT EVIL 4. It uses developer interviews to provide context and tell a story in a progressive manner.

What were your biggest challenges so far on writing a book about such a huge and old (23 years already!) videogame franchise?
I’d never wrote a book before now, so that was the toughest part—in terms of time management. Every RE game has its own unique story, so telling them all in the same book while maintaining continuity from entry to entry was challenging at times.

We know you have good relations with Capcom developers, producers and directors. How did it start in the first place? Who was the first developer you’ve got to interview?
My first interaction was when I had dinner with RESIDENT EVIL/RESIDENT EVIL 4 Director Shinji Mikami and RESIDENT EVIL CODE: VERONICA Director Hiroki Kato in January 2007. I didn’t speak any Japanese at the time, but now I do, so I can communicate with Capcom staff directly. I think speaking to them directly rather than through an interpreter helps us maintain a good relationship. Because of my job in the game industry, I attend events that RE staff attend. I also have friends at Capcom who help me out often. For the book, my first interview was Kazuhiro Aoyama, the Director of RESIDENT EVIL 3: NEMESIS.

Still on Capcom, what kind of support do they give to your book project? Are they part of it somehow? Is it a licensed content?
My book is independent and not sponsored or endorsed by Capcom. However, they have not done anything to stop its publication and we (Capcom and I) enjoy a great relationship! I support the company as a fan and fellow member of the game industry.

Any chances of having this book in Brazilian Portuguese sometime? Are you already negotiating the translation to other languages?
I would love to—I have gotten requests in at least 5 languages for translations. If the English version reaches its goal, we can explore more possibilities.

Would you like to send a message to the Brazilian Resident Evil community?
Thank you for your support! I’d love to attend Brasil Game Show someday and talk RE with all of you. Obrigado!

COMPARTILHAR