Entrevista | Masachika Kawata, produtor de Umbrella Corps

1

Como e quando vocês tiveram a ideia e o conceito para Umbrella Corps?

Já faz aproximadamente 2 anos desde a concepção. A antiga equipe de pesquisa e desenvolvimento de Lost Planet começou a desenvolver a engine Unity por razões de pesquisa. Sabíamos desde o início que este não seria um título para a trama principal da série, então decidimos focar nos elementos de ação para o gameplay.

Além disto, já que nenhum protagonista aparece, decidimos fazer o jogador ser parte de um grupo mercenário baseado no HUNK. A razão pela qual não incluímos nenhum dos protagonistas existentes foi porque queríamos focar mais no gameplay em si, e achamos que incluir rostos familiares poderia destoar. Nós incluímos muitas opções de customização para permitir a cada jogador criar seu próprio personagem.

Como tem sido lidar com o feedback dos fãs de longa data, que preferem o estilo Survival Horror ao estilo dos shooters?

Inicialmente, havia muita reação misturada devido ao fato deste não ser um título convencional de Survival Horror. No entanto, tem sido ótimo receber retorno positivo dos consumidores que tiveram a oportunidade de experimentar o jogo em eventos como a TGS e a New-York Comic-Con. Levamos em consideração o retorno que recebemos em eventos anteriores e aprimoramos os controles e o gameplay.

Já existe um shooter multiplayer na série Resident Evil, o Operation Raccoon City. Por que criar um novo?

Apesar do gênero ser semelhante, decidimos omitir a campanha da história desta vez e focar inteiramente na criação de um shooter multiplayer divertido. O número de jogadores e o conteúdo são diferentes, mas ao permitir uma criação de partidas rápida e fácil e oferecer um jogo a um preço acessível, esperamos que isto faça os jogadores curtiram uma experiência competitiva no universo de Resident Evil. Demos atenção especial em criar um jogo rápido e cheio de ação com controles intuitivos. Com tudo isto, acreditamos que seja conceitualmente diferente de Operation Raccoon City.

Masachika Kawata

Umbrella Corps faz parte do “canon” da franquia Resident Evil, já que tem um pequeno enredo e é focado em ser um campo de treinamento para soldados?

Umbrella Corps é separado da história principal. Inicialmente, apesar de não haver uma campanha de história, nós havíamos criado vários backgrounds para inserir o jogo. No entanto, percebemos que ter uma história detalhada limitaria nossa habilidade de implementar todos os elementos de gameplay que queríamos. Como resultado disto, retiramos a ideia de ter um plano de fundo detalhado.

Em vez disto, focamos nossa atenção na adição de mapas nostálgicos nos quais jogadores veteranos vão gostar de jogar. Por exemplo, um estágio foi criado a partir da vila de Resident Evil 4. Não alteramos muito o cenário original, mas os jogadores podem atravessá-lo de formas que não podiam antes, como subir paredes e entrar em salas que não estavam disponíveis no passado.

Pergunta do fã Tiago Loche: Sr. Kawata, você acha possível criar a sensação de terror em meio a tiroteio, explosões e muita ação em um jogo de Resident Evil?

Para este título, definitivamente incorporamos muitos elementos de ação dos títulos principais, como explosões e tiros. Contudo, acreditamos que ainda haja espaço para incluir elementos de terror e medo neste meio.

Os jogadores encontrarão inimigos familiares, como zumbis, Ganados e Majini. Se o bloqueador de zumbis do jogador for destruído, os inimigos virão correndo para aniquilá-lo. Além disto, diferente do conceito original, inimigos derrotados ficam em uma poça de sua própria carne e sangue e retornam à vida depois de certo tempo. Esta curta sequência de inimigos retornando e te atacando definitivamente tem elementos de terror. Quando tiver a chance de jogar o jogo, você perceberá que os corredores estreitos e a atmosfera tensa são remanescentes da sensação que se tem jogando um título da série principal de Resident Evil.

Pergunta do fã Eric Ferraz: Sr. Kawata, gostaria de saber por que Umbrella Corps não possui uma campanha offline com modo história.

Não temos campanha com história, mas em vez disto temos uma experiência offline single player chamada The Experiment (O Experimento). É um modo baseado em missões onde os jogadores devem enfrentar hordas de inimigos usando suas habilidades. Este não é apenas um modo divertido com alto fator replay, mas acreditamos que funciona bem para treinar os jogadores para o multiplayer online também.

Recomendamos aos jogadores tentar O Experimento para aprimorar suas habilidades, curtir o modo Multi-Missão com seus amigos para melhorar o trabalho em equipe e finalmente competir uns com os outros para elevar o ranking no modo One-Life Match.


Original Interview in English:

How and when did you come up with the idea and concept for Umbrella Corps?

It’s been approximately 2 years since its inception. The former Lost Planet R&D staff started doing development on the Unity engine for research purposes. We knew from the beginning that this wouldn’t be a main story title for the series, so we decided to focus on the action-focused elements of gameplay.

Also, since no main protagonists make an appearance, we decided to have the player be part of a mercenary group based off HUNK. The reason that we didn’t include any existing protagonists this time around was that we wanted the focus to be more on the gameplay itself, and we felt like including familiar faces may detract from that. We included a lot of customization options to allow each player to showcase their own unique avatar.

How has it been to deal with the feedback from long-time fans who prefer the Survival Horror style instead of shooter style?

Initially, there was a lot of mixed reaction due to the fact that this is not a conventional survival horror title. However, it’s been great receiving positive feedback from consumers who have had the opportunity to try out the game for themselves at events such as TGS and New York Comic-con. We’ve taken to heart the feedback that we’ve received at earlier events and have tweaked and improved the ease of the controls and gameplay.

There is already a multiplayer shooter game in the Resident Evil series, Operation Raccoon City. Why make a new one?

Though the genre is similar, we decided to omit a story campaign this time around and focus entirely on creating a fun multiplayer shooter. The number of players and content are different, but by allowing for quick, easy matchmaking and offering the game at an approachable price point, we’re hoping it will allow players to enjoy a competitive experience in the Resident Evil space. We paid special attention on making a speedy, action-packed title with intuitive controls. By this token, we believe it’s conceptually different from Operation Raccoon City.

Is Umbrella Corps canon in the Resident Evil franchise, since it has a minimum plot focused on training fields for soldiers?

Umbrella Corps is separate from the mainline story. Initially, despite not having a story campaign, we prepared various backdrops to set up the scene. However, we found that having a detailed background story only hampered our ability to implement all the gameplay elements that we wanted. As a result, we shifted focus away from having a detailed backstory.

Instead, we focused our attention on adding a lot of nostalgic maps into the game that long-time fans will enjoy jumping into. For example, a stage is modelled after the village section in Resident Evil 4. It’s not altered too much from the original landscape, but players can traverse it in various ways that they couldn’t before, such as climbing up walls and entering rooms that were unavailable in the past.

Question from fan Tiago Loche: Mr. Kawata, do you think it is possible to create a horror feeling among shooting, explosions and lots of action in a Resident Evil game?

For this title, we’ve definitely incorporated a lot of the action-packed elements from mainline titles, such as explosions and muzzle flashes. However, we believe there is always still room to include elements of horror and fear in such a space.

Players will encounter familiar enemies like zombies, Ganado, and Majini. If the player’s zombie jammer is destroyed, enemies will come rushing over to obliterate him or her. Also, unlike the original setting, defeated enemies lie in a pool of their own flesh and blood and reanimate back up after a certain amount of time. This short sequence of undead enemies coming back and attacking you definitely has elements of horror. When you get a chance to play the game, you’ll notice that the close corridors and tense atmosphere are very reminiscent of the feeling you may get playing a mainline Resident Evil title.

Question from fan Eric Ferraz: Mr. Kawata, I would like to know why Umbrella Corps is not including an offline story mode campaign.

We don’t have a story campaign, but instead have an offline single player experience called The Experiment. It’s a mission-based mode where players must overcome hordes of enemies using their honed skills. Not only is this an enjoyable mode with high replayability, we believe it inherently trains players to be better during online multiplayer as well.

We recommend players try out The Experiment to raise their standalone skills, enjoy Multi-Mission Mode with their friends to improve their teamwork, and finally compete with other players to raise their rank in One Life Match Mode.

COMPARTILHAR
  • Fábio Conde

    ”Preço acessível” KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK ah tá, eu não pago 10 reais nesse jogo.