Livro Traduzido | Resident Evil Archives Vol. II

PALAVRAS-CHAVE | WILPHARMA

COMPLEXO DE PESQUISA DE HARVARDVILLE

Após a queda da Umbrella em 2003, outra companhia cresceu para tomar seu lugar no mundo farmacêutico. Esta companhia era a WilPharma, com sede situada na cidade industrial no centro-oeste americano de Harvardville. A sede em si era localizada em uma região montanhosa um pouco distante das zonas residenciais da cidade, e abrigava escritórios por todo um amplo complexo de pesquisa.

O núcleo do complexo de pesquisa era a Cúpula Aérea, que suportava sua superfície redonda através das diferenças na pressão de ar entre o interior e o exterior da estrutura. No centro da cúpula havia um grande jardim para relaxamento dos pesquisadores; os laboratórios ficavam de frente para este jardim. Um estreito elevador central se estendia do centro do jardim até a cobertura da Cúpula Aérea, com corredores externos em cada andar para conduzir os pesquisadores aos seus laboratórios e escritórios.

Os laboratórios de pesquisa viral eram divididos em quatro níveis do complexo, com níveis crescentes que indicavam maior perigo. Escritórios e salas de reunião ficavam localizados no inofensivo Nível 0.

O formato singular do laboratório foi construído com a segurança em mente, e permitia a rápida isolação de um vazamento biológico no local. No caso de uma emergência, o bloqueio do jardim seria destravado, e imergiria para dentro de uma fenda inferior. Cada bloco seguinte, então, teria o mesmo destino, deixando todo o complexo e o perigo biológico em si selado a 300 metros de profundidade.

DESENVOLVIMENTO DA T-VACCINE (VACINA T)

Em resposta ao uso do T-Virus em incidentes de bioterrorismo, a WilPharma embarcou em um projeto confidencial de desenvolver uma vacina para prevenir o processo de zumbificação. O homem no centro do projeto era o pesquisador-chefe da WilPharma, Frederic Downing. Sendo um ex-pesquisador da Umbrella, ele saiu de Raccoon com amostras do T-Virus e do G-Virus pouco antes de sua destruição. Apagou seu passado, mas usou seu conhecimento para garantir um cargo na WilPharma. Em outras palavras, foi o conhecimento aprofundado de um pesquisador do T-Virus que tornou possível a criação de uma vacina.

Frederic sabia que não poderia vender o vírus sem a vacina junto, e teve a idéia de fazer uma demonstração para provar a efetividade da vacina. Em 2002, ele se tornou um traficante do mercado negro, e contatou o General Grande, um patrocinador de operações terroristas na Índia. Ele vendeu o T-Virus para Grande, o que levou imediatamente a um incidente bioterrorista.

O governo americano, bastante ciente das capacidades do T-Virus após a tragédia de Raccoon, decidiu usar a T-Vaccine em desenvolvimento pela WilPharma para auxiliar as autoridades indianas. Administrando-a em regiões vizinhas, eles conseguiram minimizar a propagação da infecção.

Desta forma, a WilPharma ganhou a confiança do governo americano. Eles continuaram realizando testes clínicos da vacina na Índia, onde os custos laboratoriais eram mais baratos e eles podiam garantir uma abundância de recursos humanos. Os testes não foram livres de sacrifícios, mas o governo americano deixou isto passar, e o desenvolvimento da vacina terminou em 2005. Depois disto, só era necessário esperar por aprovação federal.

Com a T-Vaccine pronta, Frederic decidiu fazer uma demonstração do G-Virus para o General Grande; o local seria o próprio complexo de pesquisa da WilPharma em Harvardville. Mas Frederic subestimou o poder do G-Virus, e sua verdadeira identidade acabou sendo revelada como resultado da confusão do G. Sua própria ambição causou sua destruição; ele foi preso pela polícia quando estava prestes a fugir. As ações da WilPharma, que estavam altas com a novidade do desenvolvimento da T-Vaccine, caíram novamente após o incidente, e eles logo foram comprados pelo mega conglomerado, Tricell.

CONSPIRAÇÃO POLÍTICA

A mudança da WilPharma para Harvardville foi comandada por Ron Davis, um senador local que tinha contato há tempos com a companhia. Ele servia como conselheiro especial à WilPharma e era um de seus grandes acionistas, o que fez com que ele fosse acusado com freqüência pela mídia de suspeita de troca de informações.

A ligação de Davis com a WilPharma, no entanto, era algo mais profundo: Eles estavam ligados pelo T-Virus. Em 1998, Davis era um dos membros do comitê especial do Senado que propôs o plano de esterilizar a cidade de Raccoon, e ele votou a favor para encobrir provas da conspiração entre a Umbrella e o governo. Com a Umbrella destruída, a WilPharma assumiu o lugar deles no topo do mundo farmacêutico, e David imediatamente passou sua lealdade para eles. Ele encorajou o governo a aprovar os testes clínicos ilegais na Índia, vendo a situação como um “mal necessário”.

TERRA-SAVE

O Senador Davis conseguiu ganhar a aprovação para o complexo de pesquisas da WilPharma em Harvardville, usando a idéia como um estímulo para o local, e usando sua influência em Washington para isto ser aprovado.

No entanto, apesar de tudo estar a favor de Davis, havia uma voz gritando contra o movimento. Esta voz vinha da ONG Terra-Save, uma organização não-lucrativa que buscava ajudar vítimas de bioterrorismo e de testes farmacêuticos ilegais. Eles tinham entre seus membros Claire Redfield, que sobrevivera ao horror na Ilha Rockfort em 1998.

As atividades da Terra-Save aconteciam principalmente em demonstrações e protestos publicados em sua página na Internet, mas quando a mudança para Harvardville foi formalizada em 2002, um membro da Terra-Save montou uma campanha de informação agressiva contra a WilPharma. Ele logo foi preso por obstrução de práticas de negócios e extorsão. Isto causou um grande escândalo para o grupo, que imediatamente cortou ligações com o homem.

O homem era um médico chamado Curtis Miller, que começou sua campanha contra as companhias farmacêuticas e o governo após perder sua esposa e sua filha em Raccoon. Depois que ele foi expulso da Terra-Save, a WilPharma continuou seus negócios tranquilamente, e em três anos, seu complexo foi finalizado.

A Terra-Save, mesmo assim, continuou seu protesto, e começou a publicar fotos dos testes clínicos da WilPharma na Índia em sua página. Eles avisaram que se o governo americano não iniciasse investigações imediatamente às atividades da WilPharma, eles os processariam na Corte Criminal Internacional. As ações da WilPharma caíram subitamente diante das acusações, e o governo começou a hesitar sobre a aprovação da T-Vaccine. Em acordo, a WilPharma doou seu fornecimento de T-Vaccine para a Reserva Nacional Estratégica.

O Senador Davis tentou se esquivar das críticas ao se concentrar na abertura da Conferência Farmacêutica Nacional em Harvardville. Quando ele chegou ao aeroporto para participar da conferência, porém, uma carta chegou de um terrorista anônimo, endereçada ao governo americano. A carta exigia que o Presidente em pessoa tornasse pública a verdade por trás da destruição da cidade de Raccoon. Se esta exigência não fosse cumprida, o terrorista liberaria o T-Virus em locais por toda a América.

O governo levou a ameaça a sério, e o Presidente mandou o seu homem de confiança, o Agente Leon S. Kennedy, para iniciar uma investigação. Com a ameaça de bioterrorismo ficando pior, Leon se uniu a Claire, que estava no local para o protesto, e juntos eles fizeram uma investigação, eventualmente descobrindo Curtis Miller como o responsável pelo ataque terrorista.