Livro Traduzido | Resident Evil Archives

CRIATURAS

Nosferatu

(Aparece em: Resident Evil Code Veronica X)

A forma final mutada de Alexander Ashford, o líder da sexta geração da Família Ashford, que foi injetado com o vírus T-Veronica de sua filha Alexia contra sua vontade. Sua atual forma incontrolável é o resultado da incapacidade de seu corpo coexistir com o vírus. Os efeitos do vírus em seu corpo incluem tentáculos desenvolvidos e um coração exposto. Seu corpo também produz um veneno que se transforma em uma espécie de névoa mortal em contato com o oxigênio. Talvez por causa de sua natureza perigosa, ele tenha sido mandado para o complexo da Antártida da Umbrella  e tenha ficado trancado pelos últimos 15 anos.

Conseqüentemente, seu nome vem da palavra lituana para “imortal”, e lhe foi dado pelos trabalhadores do complexo da Antártida que ouvem seus berros de congelar os ossos.


Monstro Steve

(Aparece em: Resident Evil Code Veronica X)

Steve Burnside, após ser injetado com o vírus T-Veronica por Alexia quando ela acordou de seu sono criogênico de 15 anos. Seu corpo, como o de Alexander Ashford, foi incapaz de coexistir pacificamente com o vírus, e ele se tornou um monstro. Nesta forma, sua pele ficou verde como a de um réptil, e sua espinha cresceu e se expandiu a ponto de ficar visível sob sua pele. E graças aos efeitos do vírus em seu cérebro, ele perdeu toda a noção razão ou de consciência. Agora ele existe apenas para atacar, sem conceito de amigo ou inimigo. Ele é o exemplo tipo da raiva frenética. Sua nova força de monstro é impressionante, permitindo-lhe destruir uma estátua de pedra com um único balanço de um machado.


Alexia

(Aparece em: Resident Evil Code Veronica X)

Alexia Ashford começou a evoluir depois que se injetou com seu próprio vírus T-Veronica. Ela atingiu a coexistência com o vírus após um sono criogênico de 15 anos.

Em sua primeira forma, ela consegue manter sua aparência humana, exceto pelos músculos tentáculos enrolados em volta dela no lugar das roupas. Seu sangue agora arde em chamas em contato com o ar, criando uma barreira de fogo ao redor dela quando é atacada, que só cresce quanto mais danos ela toma.

Em sua segunda forma, os genes de formiga misturados com o vírus T-Veronica criam uma aparência semelhante à de uma formiga rainha gigante. Esta Alexia bate suas novas asas sobre sua porção inferior gigante de trompa de falópio. Mas felizmente, sua integração com o vírus T-Veronica ainda não está completa, e ela só consegue produzir larvas incompletas de sua trompa (que são chamadas de Criaturas de Ataque).

Quando seu abdome reprodutor gigante é destruído, Alexia desprende sua porção superior e se torna um verdadeiro inseto voador. Esta é sua terceira forma. Batendo suas quatro asas e voando pelo ar, ela se tornou algo semelhante a uma formiga, mas retirada de lugar algum da natureza. Ela ataca espalhando seu sangue e o deixando arder em chamas. A sua parte restante que parece humana, seu rosto, está imerso em tristeza, talvez pelo resultado do que ela se tornou e da percepção de que foi tudo sua culpa.

  • Primeira Forma de Alexia: Ela ainda está em sua forma humana, mas já está sofrendo tremendas mudanças sob a superfície. Nesta forma, ela pode mandar um calor ardente diretamente para dentro do corpo de uma pessoa que capturar.
  • Segunda-Terceira Formas de Alexia: Continuando o processo evolucionário, a segunda forma de Alexia começa a mostrar as características do DNA de formiga no vírus T-Veronica. Sua porção superior é igual ao de uma formiga, mas sua porção inferior é mais como as raízes de uma planta. Sua terceira forma parece muito com a segunda, apenas com a porção superior separada da trompa de falópio gigante. A grande diferença entre esta e a segunda forma é a sua incrível resistência, que lhe permite resistir a ataques de qualquer arma que não seja a Linear Launcher.

Corvo

(Aparece em: Resident Evil 0, Resident Evil, Resident Evil 2, Resident Evil 3)

Corvos infectados apareceram quase que imediatamente após o primeiro T-Virus ser liberado. Eles comeram carne morta que estava infectada com o vírus, fazendo-os ficarem infectados. Corvos não infectados são naturalmente onívoros, comendo de insetos a plantas e animais. Era só uma questão de tempo até que o T-Virus, que infecta todo ser vivo, chegar aos corvos também. Quando os corvos infectados perdem o controle e começam a atacar humanos vivos, o processo está completo.

Estes corvos infectados ainda mantêm algumas características de sua raça normal. Por exemplo, eles gralham alto para causar medo em sua presa, e andam em grupos. Mas todo o resto é completamente diferente. Em sua forma natural, corvos são extremamente sensíveis ao som, e qualquer barulho alto é suficiente para afastá-los. Mas corvos infectados não recuam nem com tiros disparados diretamente na frente deles. Basicamente, corvos raramente atacam contanto que seu território não seja perturbado, mas quando atacam, eles bicam suas presas com seus bicos afiados firme e repetidamente.

Corvos habitam muitos ambientes, de florestas a cidades. Suas asas lhes permitem carregar o vírus para lugares distantes, tornando-os o principal fator de sua súbita e perigosa propagação.

  • Corvos de Arklay: Os corvos que vivem na Floresta de Raccoon ficaram infectados ao comer carne morta e insetos portando o vírus. Eles construíram vários territórios dentro da mansão.
  • Corvos de Raccoon: A diferença principal entre estes corvos e os de Arklay é a sua escolha de habitat. Não há muitas outras diferenças entre eles, exceto talvez pela agressão aumentada. Eles ficaram infectados da mesma maneira, comendo carne de cadáveres de criaturas infectadas com o vírus.

Vespas

(Aparecem em: Resident Evil)

Estas vespas sentiram a força total do T-Virus e cresceram a tamanhos enormes. Julgando pelas características naturais de seu gênero, elas devem ter construído ninhos em algum lugar do laboratório e dos dormitórios de Arklay para propagar sua quantidade. Os efeitos do vírus parecem ser diferentes em cada vespa, incluindo variação de tamanho, níveis diferentes de resistência etc.

A principal feição que todas as vespas tem em comum é o seu ferrão gigante que está cheio de seu veneno natural misturado ao T-Virus. Fiel aos seus instintos, uma vespa infectada rodeia sua presa antes de enfiar seu ferrão no corpo da vítima. Isto espalha o vírus ainda mais. Criaturas aladas infectadas com o vírus o espalharão a uma longa distância.


Baratas Gigantes

(Aparecem em: Resident Evil 2)

Estas eram baratas normais que viviam nos esgotos até serem infectadas com o T-Virus e crescer aproximadamente 7-8 vezes seu tamanho natural (40 centímetros). Aparentemente elas ficaram infectadas ao comer ratos que também se infectaram. Quando estão atacando, têm uma tendência de morder as partes mais macias do corpo de sua presa. Nos humanos, elas tendem a ir direto na artéria carótida. Para atrair sua vítima, elas andam em grupos. A resistência natural da barata só foi melhorada com o vírus, e seu número aumentou por causa disto.


Formigas

(Aparecem em: Resident Evil Code Veronica X)

Alexia Ashford usava estas formigas em seus experimentos com o vírus T-Veronica. Injetá-las com o vírus as levou a um crescimento e hostilidade imensamente ampliados. As formigas infectadas começaram a morder com suas presas qualquer vítima que pudessem encontrar. Por terem sido mantidas por mais de 15 anos, seu número cresceu imensamente. Elas podem ser encontradas no subsolo da base da Antártida, tendo criado uma gigantesca casa de formigas para se abrigarem.


Mariposa Gigante / Mariposa

(Aparece em: Resident Evil 2, Resident Evil Code Veronica X)

É comum pensar que não há diferença entre Mariposas e Mariposas Gigantes, mas de fato há uma série de diferenças em sua ecologia natural e aparência. Mariposas Gigantes são o resultado de mariposas que foram usadas em experimentos nos laboratórios da Umbrella. Elas fugiram e cresceram a imensas proporções devido ao T-Virus. Por alguma razão, as asas das Mariposas Gigantes não cresceram em proporção com o resto de seus corpos, então elas só podem voar alguns metros do chão.

Acredita-se que antes das Mariposas Gigantes atingirem seu tamanho atual, elas tenham espalhado os efeitos do T-Virus por algumas gerações diferentes. Isto levou a um aumento tanto na quantidade de pó fosforoso que elas produzem quanto em sua toxicidade. Suas larvas são chamadas de Mariposas Filhotes, e mesmo em sua condição infantil, elas possuem uma considerável quantidade de força de ataque. Quando sentem um humano por perto, elas descem do teto e então lançam um muco grudento e difícil de fugir de suas bocas para capturar a presa.

Mariposas, por outro lado, eram originalmente mantidas no complexo da Antártida da Umbrella como outro tipo de cobaia. Assim como as Mariposas Gigantes, elas cresceram ao seu tamanho atual depois de ficarem infectadas com o T-Virus. Seu pó fosforoso também contém um alto nível de toxicidade, mas diferente das Mariposas Gigantes, suas asas cresceram em perfeita proporção com o resto de seus corpos. Isto permitiu às Mariposas rodear um alvo à vontade, antes de atacar espalhando seu pó fosforoso ao redor do corpo da vítima. Além disto, suas larvas crescem como parasitas de organismos vivos, então estão constantemente procurando no perímetro de seus ninhos para encontrar hospedeiros adequados para seus ovos.

  • Mariposa Gigante: As características mais notáveis da Mariposa Gigante são suas asas inaturalmente desequilibradas e seu abdome grande e pulsante. Por não poderem voar muito longe do chão, elas estão sempre arrastando suas barrigas. (RE2, RECV)
  • Mariposa: Mariposas atacam lançando grandes quantidades de pó venenoso pelo ar, o que é fatal a qualquer presa humana que o inalar. Além disto, elas vão agressivamente atrás de sua presa numa tentativa de botar seus ovos. (RE2, RECV)
  • Mariposa Filhote: Larvas de Mariposa Gigante. Seus corpos só têm 30 centímetros ou menos, e sua força vital é bem fraca. No entanto, como muitas delas estão incubadas em seus ninhos, a quantidade na qual atacam sua presa não é algo a se desprezar. Elas são atraídas por organismos de sangue quente. (RE2)

Plague Crawler

(Aparece em: Resident Evil 0)

B.O.W.s baseadas em insetos que foram criadas ao injetarem vários tipos de insetos com o T-Virus e então manipular seus genes. Por terem sido desenvolvidos relativamente cedo no programa, elas tiveram muito tempo para crescer. Algumas têm até 2 metros de largura e tem largas pinças mortais. Superficialmente, elas parecem ser excelentemente apropriadas para lidar com morte e destruição. Porém, elas foram classificadas como sendo impróprias para situações de combate pesado, então seu desenvolvimento foi cancelado e elas seriam destruídas. Por serem baseadas em insetos, elas não têm a inteligência necessária para ser uma B.O.W. realmente de sucesso.

No entanto, nem todos os espécimes do Complexo de Treinamento da Umbrella foram completamente destruídos. Alguns deles sobreviveram, e começaram a fundar colônias longe dos olhos vigilantes de seus criadores humanos. Eles cresceram em número a uma velocidade assustadora.

Como as Plague Crawlers vivem em lugares úmidos e escuros, elas podem geralmente ser encontradas fazendo suas camas embaixo de telhados de prédios. Elas são carnívoras, e gostam de se esconder em tetos, esperando que uma presa humana que de nada suspeita passe embaixo delas. Então, elas pulam do lugar de esconderijo e atacam com suas pinças gigantescas.


Fiandeira de Teia / Tigre Negro / Aranha Gigante /
Viúva Negra / Viúva Negra Gigante

(Aparece em: Resident Evil 0, Resident Evil, Resident Evil 2, Resident Evil 3: Nemesis e Resident Evil Code Veronica X)

Aranhas, com sua habilidade natural de se adaptar a quase qualquer ambiente, foram estudadas por anos com a intenção de transformá-las em B.O.W.s. Por esta razão, houve muitas criaturas diferentes criadas a partir de aranhas. Apesar de todas parecerem igualmente assustadoras, há de fato várias diferenças entre elas que gostaríamos de colocar aqui.

Primeiramente temos a Fiandeira de Teias, uma das primeiras B.O.W.s nascidas de experimentos com o T-Virus. Em um revés irônico, Fiandeiras de Teias cresceram demais para fiar teias, e agora atacam sua presa diretamente com um forte líquido ácido que secretam. Este tipo de aranha não é muito perigoso. Acredita-se estar mais bem equipada para espalhar o T-Virus adiante do que poderia ir sem a ajuda de criaturas que possam andar em paredes e tetos.

Tigres Negros eram originalmente do grupo de Fiandeiras de Teias que supostamente seriam eliminadas, mas por razões desconhecidas, elas passaram por mais mutações que aumentaram consideravelmente sua força vital e poder de ataque. Elas são quase duas vezes maiores do que as Fiandeiras de Teias, e seus corpos são consideravelmente mais escuros. Além disto, sua habilidade de fiar teias foi recuperada, permitindo-lhes caçar e matar a presa em um estilo muito mais aracnídeo.

Agora é aqui que fica complicado. As Aranhas Gigantes são na verdade divididas em duas gerações. Há aquelas que foram acidentalmente expostas ao T-Virus,m e aquelas que foram usadas desde o início em experimentos para se tornarem B.O.W.s e chegaram a um tamanho enorme por razões desconhecidas. O primeiro tipo pode ser visto nos complexos da mansão e nos esgotos de Raccoon, e elas são apenas aranhas normais que foram expostas ao vírus e ficaram enormes, acompanhadas de um aumento em toxicidade. O segundo tipo pode ser encontrado na base da Antártida, e foi desenvolvido a partir da extremamente venenosa aranha Viúva Negra. Esta aranha foi supostamente mandada para uma das filiais da Umbrella, mas aparentemente escapou de sua cápsula de exportação e evoluiu a ponto de sobreviver às condições adversas da Antártida.

O Perigo das Aranhas Pequenas

Aranhas, quando infectadas com o T-Virus, ficam enormes a ponto de não serem caçadas por outros animais. Com hostilidade e toxicidade aumentadas, elas procuram por presa e continuam procriando quando a encontram. Por esta razão, aranhas mães sempre carregam com elas incontáveis Aranhas Pequenas dentro de seus abdomes. Se algo acontecer à mãe, as Aranhas Pequenas então saem e atacam humanos. Felizmente, elas são pequenas o bastante para poder matá-las pisando nelas, mas quanto maior o seu número, maior a sua ameaça.

Na base da Antártida, a Aranha Gigante exibe as mesmas características de suas primas Viúvas Negras menores: jogar veneno e usar sua mandíbula gigantesca para capturar a presa. Esta aranha carrega seu filhote em seu estômago, assim como as suas primas de Raccoon fazem. Ela as libera da mesma maneira após sua morte, e elas carregam o mesmo perigo em quantidade. Incidentalmente, as Aranhas Pequenas que escapam dos corpos das Fiandeiras de Teia também são chamadas de Aranhas Filhotes, e vêm em quantidades menores.

Variações de Aranha

  • Aranha Gigante: O resultado de administrar o T-Virus em uma raça puro sangue de aranha. Estas aranhas foram usadas para provar os incríveis efeitos de crescimento do vírus. Elas usam sua mobilidade avançada e veneno projétil para apanhar sua presa. (RE0)
  • Fiandeira de Teia: Uma nova B.O.W. que foi desenvolvida após estudar os efeitos de crescimento em aranhas normais acidentalmente infectadas com o vírus. Estas aranhas foram especialmente consideradas por sua habilidade de espalhar o vírus em um raio maior graças à sua mobilidade. (RE)
  • Tigre Negro: Uma súbita e inesperada variação da Fiandeira de Teia que pode lançar sua teia para capturar presas distraídas. Contém uma grande quantidade de veneno em seu abdome. Ela captura a presa ao apanhá-las com teias envenenadas, e ao lançar veneno em todas as direções após sofrer danos. (RE)
  • Aranha Gigante (Raccoon): Estas Aranhas Gigantes nasceram do desastre que assolou toda Raccoon. Acredita-se que elas foram criadas quando o T-Virus foi levado para os esgotos onde elas vivem. (RE2)
  • Viúva Negra e Viúva Negra Gigante: Viúvas Negras são aranhas que foram especialmente desenvolvidas e treinadas como B.O.W.s antes de serem mandadas para a Ilha Rockfort. De fato, estas aranhas seriam mandadas para todas as filiais da Umbrella, mas um em especial escapou e se transformou na Aranha Gigante que habita a base da Antártida. Quando o abdome desta aranha é destruído, ela libera várias Aranhas Pequenas para continuar seu trabalho. Sua principal característica é a total falta de pêlos em seu corpo. (RECV)

Drain Deimos

(Aparece em: Resident Evil 3)

Mutantes irregulares com o apelido de DD. Acredita-se que os Drain Deimos eram originalmente pulgas que comeram a carne de um animal infectado com o T-Virus. Eles cresceram centenas de vezes o seu tamanho original, aproximadamente tanto quanto um humano de estatura média. Sua aparência é particularmente grotesca até para um monstro, com seu exoesqueleto em pedaços e seus órgãos internos e músculos aparecendo em lugares incomuns e inaturais, devido ao seu crescimento extremamente rápido.

Drain Deimos conseguem sua nutrição do fluido cérebro-espinhal dos humanos. Fiel à natureza das pulgas, eles procuram este fluido ao penetrar seus dentes caninos na presa e sugá-lo. Depois de se alimentar, os machos subitamente se transformarão em fêmeas e botar ovos, iniciando o ciclo de auto-reprodução.

Eles geralmente gostam de ficar em lugares que sejam escuros e úmidos, e se movem rastejando no topo de paredes e tetos. Eles tendem a ser muito cautelosos, então é incomum que ataquem de surpresa. Quando ficam agitados, porém, eles atacam sem pensar com pouca preocupação com as conseqüências, usando suas garras e dentes contra sua presa.


Brain Sucker

(Aparece em: Resident Evil 3)

Um mutante irregular que carrega uma forte semelhança com os Drain Demos. Ele tem duas cabeças e um corpo quase reptiliano, como se duas criaturas diferentes tivessem se fundido em uma estranha criação nova. Assim como os Drain Deimos, o Brain Sucker era uma pulga antes de sua mutação, mas deve ter se alimentado de um tipo diferente de animal que se infectou com o vírus.

Em contraste com a dieta dos Drain Deimos de fluido cérebro-espinhal, você pode deduzir como os Brain Suckers conseguem o seu sustento: eles sugam os cérebros de qualquer humano que tiver a infelicidade de chegar perto deles o bastante. Após visualizar a presa, o Brain Sucker destrói a cabeça do alvo e então insere ambas as suas línguas nos restos mortais. Ele é surpreendentemente habilidoso em abrir crânios para pegar seus conteúdos.

Apesar de sua tendência de ir atrás de cérebro em vez do fluido cérebro-espinhal, os Brain Suckers atacam com suas garras e dentes da mesma forma que os Drain Deimos. Mas diferente dos Drain Deimos, os Brain Suckers têm um veneno tóxico que podem cuspir em suas vítimas à distância.

Tanto os Drain Deimos quanto os Brain Suckers botam ovos para se reproduzirem. Quando estes ovos eclodem, eles produzem o que parecem ser meramente versões menores deles mesmos, permitindo que se propaguem em velocidades assustadoras.


Stinger

(Aparece em: Resident Evil 0)

O Stinger (Ferrão) é uma B.O.W. criada ao administrar o T-Virus em um escorpião. Ele atinge estaturas de mais de três metros, inclusive suas pinças. Além disto, o vírus fez o exoesqueleto da criatura endurecer. Suas pinças em particular são fortes o bastante para cortar metal. A espessura e força aumentadas do exoesqueleto da criatura o permitem absorver danos de armas de fogo. No entanto, este é o limite dos efeitos do vírus na criatura e, portanto, ele não pode ser declarado uma B.O.W. viável.

O Stinger tem um corpo duro e blindado, mas sua cabeça é surpreendentemente vulnerável. Esta é sua principal fraqueza, e durante combate real ele costumar cobrir sua cabeça com suas garras. Além do mais, como B.O.W., ele deveria secretar veneno de seu ferrão, mas não tem esta habilidade. Seus outros ataques padrão são lentos e desajeitados, consistindo em agarrar o alvo e apunhalá-lo com seu rabo. O Stinger ficou longe do que se desejava de um escorpião mutado.


Centurion

(Aparece em: Resident Evil 0)

O Centurion (Centurião) é a centopéia gigante descoberta no Complexo de Treinamento Executivo da Umbrella. Ela não é uma B.O.W. nascida de experimentos do T-Virus, mas foi mutada por exposição acidental ao vírus.

Esta criatura de múltiplas pernas carnívora sobrevive do predatismo dos humanos. Como se pode esperar, o Centurion é bem maior do que a centopéia normal, e seu comportamento é bem mais agressivo. Ela pode atingir mais de 10 metros de largura, e rapidamente se aproximará da presa, levantará e acertará a vítima. Ela usa dentes afiados e poderosos para morder ossos humanos. Seus movimentos padronizados são similares aos de um inseto, indicando sua baixa inteligência.  A única ameaça que demonstra vem de sua força de ataque e resistência.


Grave Digger

(Aparece em: Resident Evil 3)

Um mutante irregular, e o resultado de um artrópode vivendo sob o solo de Raccoon ter ficado infectado com o T-Virus que penetrou no solo e o levou a mutações enormes e repentinas. Os produtos eliminados do laboratório subterrâneo da Umbrella era coisa demais para o complexo lidar, e se espalhou pelo solo, deixando muitas áreas infectadas. Isto fez com que parte dos artrópodes rastejando no solo encontrasse alguns corpos infectados que foram enterrados perto do complexo, e eles mesmos ficaram infectados após ingerir alguns de seus restos. Uma das mutações que resultou disto foi a Grave Digger.

Estas criaturas habitam primariamente o subsolo do cemitério de Raccoon, alimentando-se de carne morta e agindo com extrema hostilidade com quaisquer humanos que encontram. Seus corpos de minhoca têm mais de 10 metros de comprimento, e suas mandíbulas poderosas, capazes de mastigar concreto como se fosse doce, junto com seu incrível sistema digestivo lhes permitem engolir um humano adulto inteiro. Quando caça presa, eles sentem sua presença sob o solo e então vêm correndo para a superfície para pegá-las em um ataque surpresa.

Atualmente, dois tipos separados de Grave Digger existentes foram confirmados. O primeiro é um adulto que recentemente trocou de pele, e tem a cor branca. O segundo é um adulto já totalmente crescido e tem a cor marrom-escura. Foi relatado que este tipo tem uma tolerância alta a danos.


Sliding Worm

(Aparece em: Resident Evil 3)

As Grave Diggers mencionadas anteriormente se reproduzem botando ovos nos esgotos e dentro do solo, geralmente em bandos de 100. Sob estas condições, estes ovos logo eclodem, geralmente em duas horas, e a criatura resultante é conhecida como a Sliding Worm (Verme Escorregadio). Estas larvas são outro tipo de mutante irregular, costumam crescer até 1 metro de comprimento, e possuem dentes afiados e um corpo elástico e flexível. Estas criaturas se alimentam de sangue, e quando avistam a presa, eles se lançam sobre ela com um poder incrível de pulo, e sugam o sangue como uma sanguessuga, às vezes mais do que 1 litro. Depois de nascerem, elas trocam sua pele muitas vezes no curso de seu desenvolvimento. No curto período de uma semana, elas serão uma Grave Digger totalmente formada.


Gulp Worm

(Aparece em: Resident Evil Code Veronica X)

Uma arma biológica criada ao manipular DNA de minhoca com o T-Virus. Normalmente, ela fica adormecida bem abaixo do solo, mas quando sente cheiro de presa se aproximando, ela salta para fora do solo para atacar. Suas principais características são seu tamanho enorme e órgãos digestivos fortes, o que combinados permitem que ela engula um humano adulto inteiro. Esta minhoca está na verdade no estágio de protótipo, e foi usada como oponente de prática para o treinamento do Esquadrão Anti-B.O.W. na Ilha Rockfort.


Neptune

(Aparece em: Resident Evil)

Código “FI-03”. Desenvolvido como um experimento para provar que o T-Virus se combinaria bem até com criaturas do mar, esta é uma nova forma de B.O.W. criada a partir do Tubarão Branco Grande. O resultado é um novo corpo enorme que ultrapassa seu tamanho natural, e ver esta criatura em seu habitat aquático natural dá novo significado ao nome “Rei do Oceano”. As tendências naturalmente agressivas de sua espécie foram aumentadas, e sua força também foi ampliada ao nível de não temer nenhuma criatura viva. E com suas altas capacidades de ataque e resistência em agüentar danos, acredita-se que ele seria nato para combates reais. Mas no final, ainda é uma criatura do mar, e como tal não tem aplicação para batalhas em terra.

No complexo da Mansão Arklay, foram relatados dois tipos de Neptunes existentes, mas os menores ainda estavam no meio de seu estágio de desenvolvimento. Por causa disto, suas propriedades de ataque e defesa estão distantes do Neptune completo, e é bem mais fácil esquivar deles em combate real.


Lurker

(Aparece em: Resident Evil 0)

Uma B.O.W. de experimentos iniciais com o T-Virus. Quase imediatamente após o início da pesquisa viral, um grande número de experimentos falhos foi produzido. O Lurker é um destes experimentos falhos, e é feito a partir de um sapo anfíbio.

Seus olhos e ouvidos regrediram imensamente nesta forma, mas sua habilidade de sentir a presa evoluiu em um nível quase sobrenatural. Sua língua nesta forma se tornou forte o suficiente para empalar um alvo humano com pouco esforço. Seu sistema digestivo também desenvolveu ao ponto de poder engolir um humano inteiro, já que este sistema agora é forte o bastante para matar qualquer presa que engolir quase que instantaneamente.

Apesar de conterem formidáveis propriedades de ataque, a razão de os Lurkers não conseguirem ser empregados como B.O.W.s de verdade é por causa da grande falta de inteligência. Não importa quando tempo tenha se passado entre a administração do vírus, eles não mostraram sinais de desenvolvimento em seus cérebros e, portanto, não houve esforço em condicioná-los a seguir ordens para que pudessem funcionar como B.O.W.s. Este experimento mostrou que havia pouca esperança em criar ótimas armas a partir de anfíbios com o T-Virus, e mesmo o muito mais evoluído Hunter tipo γ desenvolvido mais tarde pecava nas mesmas áreas devido à sua natureza anfíbia.


Albinoid

(Aparece em: Resident Evil Code Veronica X)

Uma salamandra mutada que habita muitos lugares na Ilha Rockfort, esta B.O.W. foi criada ao manipular o DNA de uma salamandra filhote com o T-Virus e crescer a status completo de arma no laboratório. Estes Albinoids (Albinóides) crescem muitas vezes o tamanho de seus parentes naturais, e mesmo jovens podem manipular eletricidade. Isto lhes permite uma estratégia de mandar vários Albinoids filhotes a uma base inimiga, e então esperar que se tornem adultos antes de mandá-los ao ataque.

Em apenas 10 horas, um Albinoid filhote se desenvolverá para um adulto totalmente crescido, completo, com grande aumento em sua habilidade de manipular eletricidade. Ao atingir a maioridade, ele passa a maioria do seu tempo em água, emitindo eletricidade apenas quando um inimigo se aproxima. Tirando vantagem de seu ambiente aquático, ele pode mandar sua eletricidade a um raio grande para atacar seus alvos.

  • Albinoid Filhote: Uma salamandra filhote infectada com o T-Virus. Ataca seus inimigos com choques elétricos. Diferente de seus sósias adultos, ele se move primariamente no solo. 
  • Albinoid Adulto: Uma criatura baseada em uma salamandra que à primeira vista parece estar sem sua cabeça. Só é capaz de sobreviver na água.

Jacaré

(Aparece em: Resident Evil 2)

Um filhote de jacaré que era mantido como animal de estimação antes de se soltar pelos esgotos em Raccoon, onde ficou infectado pelo T-Virus. Os efeitos do vírus incluem agressão altamente ampliada e um grande aumento de tamanho, mais de 10 metros de comprimento. Normalmente habita o depósito de lixo, onde a comida fica disponível mais facilmente, e tem a característica incomum de comer qualquer coisa, seja comida ou não.

Esta criatura é um caso especial, nascida por acidente em vez de planejada, e não houve relatos de criaturas baseadas em jacarés na Umbrella antes ou desde então.


Yawn

(Aparece em: Resident Evil)

A cobra venenosa, criada para uso como cobaia de B.O.W., fugiu do complexo e foi infectada com o vírus, fazendo com que crescesse ao seu tamanho gigantesco. Parece estar bocejando enquanto engole sua presa inteira e, portanto, foi chamada de Yawn (Bocejo) pelos pesquisadores.

É singular nela o fato de sua largura ser inconsistente com sua altura, e o veneno que secreta através de seus dentes afiados exige um soro surpreendentemente poderoso para agir contra ele. Se a vítima não receber tratamento imediato, o veneno se espalhará e a incapacitará dentro de minutos. A Yawn não tem inteligência altamente desenvolvida e é incapaz de qualquer movimento físico além dos de uma cobra normal.


Víboras

(Aparece em: Resident Evil)

Esta pequena cobra venenosa foi infectada pelo T-Virus e começou a se multiplicar incontrolavelmente. Detecta presa ao sentir calor corporal, e ataca em grupos. Vive perto da água e prefere lugares úmidos. Tem reflexos mais rápidos do que uma cobra típica e pularão para morder humanos à vista. Enquanto as Víboras de pele verde somente causam ferimentos na carne, a versão de pele vermelha libera veneno.


Planta Monstro

(Aparece em: Resident Evil)

Este mutante foi descoberto na estufa da mansão. Ela absorveu água contaminada com o T-Virus e atingiu um tamanho anormal e desenvolveu uma camada externa mais grossa. Não sofrerá danos de ataques, e chicoteará com seus tentáculos quando alguém se aproximar. Contudo, ainda é uma planta e não demonstra qualquer resistência a herbicidas.


Plant 42

(Aparece em: Resident Evil)

A Plant 42 nasceu acidentalmente durante a epidemia de T-Virus. Seu nome vem da localização de sua descoberta: ponto de observação 42. O vírus teve um efeito profundo na planta, fazendo-a evoluir em um nível alarmante. Os pesquisadores observaram com grande interesse que o crescimento do indivíduo superou o das outras plantas. Em pouco tempo, seu diâmetro fez com que ela atravessasse o chão e as paredes do dormitório.

Há duas maneiras nas quais a Plant 42 adquire nutrientes. A primeira é absorvendo compostos químicos através de suas raízes, e a outra é sugando sangue humano através de seus membros tentáculos que brotaram de seu bulbo. Vários pesquisadores tiveram suas veias completamente sugadas pela Plant 42.

Se é uma planta, por que ataca seres humanos? Este é o resultado de um incrível aumento na inteligência da criatura, acionado pelo T-Virus. Em outras palavras, a Plant 42 começou a agir de acordo com seu próprio julgamento, atacando humanos com seus cachos sugadores de sangue para preservar sua própria vida. A Plant 42 chegou ao topo do ecossistema e tomou o dormitório completamente. Até o momento de sua destruição pelos S.T.A.R.S., suas raízes estavam firmemente fixadas por todo o prédio.

Nenhum resumo sobre a ecologia da Plant 42 estaria completo sem falar em seu comportamento agressivo. A Plant 42 foi inteligente o bastante para desenvolver defesas contra intrusos. Quando há vítimas ao seu alcance, ela as chicoteia com seus membros, ou as pega pelo pescoço e as estrangula com sua incrível força. Além disto, o T-Virus a tornou capaz de excretar um fluido ácido de suas pétalas e tentáculos, que ela usa para se defender.

Apesar de sua dramática evolução, a Plant 42 no fundo ainda é apenas uma planta, e é extremamente vulnerável ao fogo. Ademais, os pesquisadores deixaram para trás uma análise indicando que o produto químico UMB V-Jolt enfraquece a estrutura celular de planta da criatura.


Ivy / Poison Ivy

(Aparece em: Resident Evil 2)

Oficialmente chamada de Plant 43, esta B.O.W. foi desenvolvida ao analisar os dados da Plant 42. Ela foi seletamente criada para andar sozinha, e sobrevive absorvendo vapor de água de sua superfície.

Ela ataca a presa com seus dois membros de hera, que lhe dão o seu nome, e causa ferimentos fatais ao cuspir enzimas digestivas através de sua cabeça de flor. Pode se adaptar ao ambiente, mesmo após detectar substâncias perigosas no ar. Um exemplo de tal adaptação é a Poison Ivy (Hera Venenosa). Esta B.O.W. venenosa não pode mais expelir fluido ácido, mas pode emitir um gás altamente venenoso.

  • Ivy (Hera): Esta B.O.W. foi desenvolvida usando os dados adquiridos da análise completa da Plant 42 durante o Incidente da Mansão. Ela se move lentamente sobre seus tentáculos. Seu movimento lento e fraqueza contra o fogo a impedem de se tornar uma ameaça por si só. Contudo, ela se espalha rapidamente, tornando-se perigosa. (RE2)
  • Poison Ivy (Hera Venenosa): Sua forma é essencialmente a mesma da Ivy normal, apenas foi exposta ao gás P-∑, tornando sua flor vermelha e dando-lhe propriedades venenosas. É capaz de emitir gás venenoso. (RE2)

Tentáculo

(Aparece em: Resident Evil Code Veronica X)

O tentáculo é parte do experimento de Alexia, criado ao mesclar seu DNA com o T-Veronica ao longo do período de 15 anos. Capaz de atingir a presa a vários quilômetros de distância, o tentáculo se alongará e chicoteará com sua ponta. Não consegue funcionar sozinho, mas quando dado um alvo por Alexia, pode chegar a qualquer lugar. Se for substancialmente ferido, o tentáculo se retorcerá violentamente e arremessar sua vítima.


Mimicry Marcus

(Aparece em: Resident Evil 0)

Esta criatura é na verdade composta de incontáveis sanguessugas que se juntaram para imitar o finado Dr. James Marcus. Como simples sanguessugas anelídeas são capazes de se transformar em seu criador é um fenômeno difícil de explicar. No entanto, é certo que estas sanguessugas funcionam com uma inteligência coletiva.

As sanguessugas secretam um fluido corporal aderente sobre sua pele para poderem se juntar. Esta massa endurece quando elas se fundem. No entanto, há um limite do quanto elas podem sustar esta forma, e só conseguem fazer se estiverem imóveis.

Quando um intruso se aproxima, as sanguessugas quebram sua forma e atacam. Neste caso, a criatura retém uma forma quase humana, apesar da visão do Dr. Marcus se tornar distorcida e do rosto desaparecer inteiramente. Ele ataca esticando seu braço direito como um chicote e acertando o alvo.

A única maneira de se livrar do Mimicry Marcus é usar suas propriedades permeáveis contra ele com enxofre, ou incinerá-lo. No entanto, ele tem uma tendência a explodir a se espalhar quando está criticamente ferido, então pode não ser uma decisão inteligente a de simplesmente atacar.

  • Imitação de Marcus (Forma fixa): Esta é a forma fixa do Mimicry Marcus. Como o nome sugere, sanguessugas se fundiram em uma forma humanóide, imitando perfeitamente o Dr. Marcus.
  • Imitação de Marcus (Forma de ataque): Esta forma é assumida pelas sanguessugas para facilitar o movimento. Já não tem mais qualquer semelhança com Dr. Marcus. Ela ataca com seus membros parecidos com chicotes e tentam agarrar seus alvos, cobrindo-os com fluido corporal. Isto infectará o alvo com o T-Virus se ele chegar perto demais.

Leech

(Aparece em: Resident Evil 0)

A sanguessuga tem aproximadamente 20 centímetros de comprimento. O Dr. Marcus, descobridor do vírus Progenitor, seletivamente cultivou esta criatura, provocando suas repentinas mudanças evolucionarias anteriormente impensáveis para um anelídeo. Tem um dispositivo receptor em forma de olho em seu corpo achatado, ativando-o para agir em conglomerado, por ser uma forma de vida inferior. Ela consome carne humana grudando sua boca alargada na presa, e em grupos pode matar um ser humano em questão de minutos. Adicionalmente, devido a concentração extremamente alta de T-Virus dentro da cavidade do corpo da sanguessuga, a possibilidade de transformar a vítima em zumbi é extraordinariamente alta.


Queen Leech

(Aparece em: Resident Evil 0)

Esta criatura é a forma mutada da Sanguessuga Rainha que controla todas as sanguessugas mutadas. Ela tipicamente assume a forma de um Dr. Marcus jovem, mas quebra sua forma para se tornar a sua primeira forma desfigurada. Possui inteligência extremamente alta, e pensa e age exatamente como Dr. Marcus, que foi assassinado dez anos atrás. Ela tem até a habilidade de falar. Este fenômeno surpreendente se tornou possível pela Sanguessuga Rainha adentrar nos restos de Dr. Marcus e se combinar com seu DNA por um longo período de tempo.

Dez anos se passaram desde a fusão causada pelo T-Virus. Durante aquele tempo, o tecido corporal foi transformado, permitindo a ela chegar à sua forma mais poderosa. Como o nome Sanguessuga Rainha sugere, ela reina sobre incontáveis sanguessugas mutadas, as quais ela comanda. Após avistar um inimigo, ela atacará com seus membros em forma de chicote formados por sanguessugas.

Se a Sanguessuga Rainha sentir perigo corporal, ela cessará a restrição de suas funções naturais e mutará para sua segunda forma. Ela se mescla com todas as sanguessugas em torno dela, e as usa como fonte de energia para multiplicar suas próprias células. Este processo reagrupa a estrutura de sua primeira forma e reforma completamente partes feridas. A massa da segunda forma é dez vezes maior do que a da primeira. Seu grande tamanho e aparência a fazem parecer primitiva e extremamente grotesca.

A grande força da segunda forma é uma quase-invulnerabilidade. Ela é poderosa o bastante para não ser destruída por qualquer quantidade de tiros de fogo. No entanto, apesar de sua vitalidade ser extremamente alta, a exposição à sua verdadeira forma também expõe a fraqueza da Sanguessuga Rainha. Para manter esta forma, as sanguessugas estão cobertas com um filme quase transparente que permite que raios ultravioletas as atravessem. Esta é a sua ruína. Os raios ultravioletas encontrados na luz do sol quebrarão sua estrutura celular. As células queimadas têm dificuldades em manter a segunda forma da Sanguessuga Rainha, tornando-a extremamente fraca e incapaz de se proteger.

  • Primeira Forma da Sanguessuga Rainha: Em resposta ao Mimicry Marcus imitando um Dr. Marcus mais velho, a Sanguessuga Rainha imita Dr. Marcus em seus vinte anos. Em sua primeira forma, a criatura é quase distintamente homem ou mulher, mas por conveniência, a imagem dela comandando um exército de sanguessugas soldados mutantes lhe deu este nome.
  • Segunda Forma da Sanguessuga Rainha: Após sentir uma ameaça à sua vida em sua primeira forma, o T-Virus armazenado em seu tecido é ativado. As mudanças permanentes causadas pelo T-Virus são tremendas. A Sanguessuga Rainha usa vários métodos de ataque, como agarrar, envenenar, bater com sua cauda e esmagar oponentes com sua massa. É enfraquecida pela luz do sol direta (raios ultravioletas).